Plano Municipal De Contingência para emergência em Saúde Pública

AUTORES

Prefeito: José Flaviano Pinto 

Vice-prefeito: João Borges da Rocha

Secretário de saúde: Gilmar da Cruz Faria

Subsecretário de Vigilância em saúde: Luís Reis Costa

Enfermeira Responsável Técnica: Luciana Simão Lopes Menino

Assessoria Jurídica: Samma Patrícia Leão Gonzaga

 

Equipe de Elaboração

 

Assistente Social: Ângela Maria Pantaleão Leão – 

Gerente de Atenção Primária: Kerley do Nascimento Gomes

Responsável pela Vacina e Subsecretario de Vigilância em Saúde: Luís Reis Costa

Enfermeira técnica responsável pela UBS: Luzinete Simão Lopes Menino

Â

INTRODUÇÃO

     Em 31 de dezembro de 2019, na cidade de Wuhan, Província de Hubei, China, foi notificado um aglomerado de 27 casos de síndrome respiratória aguda (SRA) de etiologia desconhecida, dos quais sete apresentaram evolução clínica grave. Os casos possuíam vínculo epidemiológico entre si e exposição a um mercado de produtos marinhos.

     Foi aventada a possibilidade de transmissão por meio do contato com animais marinhos manipulados no mercado. Inicialmente observado como um evento limitado à cidade de Wuhan, o número de casos e óbitos aumentou rapidamente e disseminou-se para outras províncias chinesas. O governo chinês adotou, então, medidas de contenção e isolamento de cidades no intuito de mitigar o evento.

     Pesquisadores chineses conseguiram identificar o provável causador da SRA: um novo Corona vírus, denominado inicialmente como 2019-nCoV. Atualmente chamado SARS-CoV-2. A doença é chamada COVID-2019 (do inglês: CO=Corona, VI=Vírus, D=Disease). Em 30/01/2020, diante da realidade de disseminação mundial do novo Corona vírus, que naquele momento já havia sido notificado em 18 países, além da China, e com transmissão pessoa a pessoa confirmada em três deles, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o evento como Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII).Enfatizou a necessidade, urgente, de estudos que identificassem a fonte da infecção, a forma de transmissão, o sequenciamento genético do vírus para o desenvolvimento de vacinais e medicamentos antivirais, bem como o fortalecimento da preparação e resposta ao novo evento, especialmente nos países e regiões mais vulneráveis.

    Em 03 de fevereiro de 2020 foi declarada Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência da infecção humana pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2): Portaria GM/MS Nº188, 03/02/2020. Este Plano trata-se de documento dinâmico e poderá ser alterado conforme necessidade, novas descobertas científicas e alterações no cenário nacional e internacional.

   CORONAVÍRUS – CoV Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem.

     Os coronavírus comuns que infectam humanos são alphacoronavírus 229E e NL63 e betacoronavírus OC43, HKU1. Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV). Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS no começo da década passada.

     Esse novo coronavírus era desconhecido como agente de doença humana até sua identificação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio, na Europa e na África. Todos os casos identificados fora da Península Arábica tinham histórico de viagem ou contato recente com viajantes procedentes de países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Jordânia. Pela localização dos casos, a doença passou a ser designada como síndrome respiratória do Oriente Médio, cuja sigla é MERS, do inglês “Middle East Respiratory Syndrome” e o novo vírus nomeado coronavírus associado à MERS (MERS-CoV). Período de incubação dos CoV: média de cinco (5) dias, podendo chegar até dezesseis (16) dias. Período de transmissibilidade: transmissibilidade dos pacientes infectados por SARS-CoV é em média de sete (7) dias após o início dos sintomas. No entanto, dados preliminares do Novo Coronavírus (SARS-CoV-2) sugerem que a transmissão possa ocorrer, mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas. Até o momento, não há informação suficiente de quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus. 

   Transmissão inter-humana: todos os coronavírus são transmitidos de pessoa a pessoa, incluindo os SARS-CoV o MERS-CoV, porém sem transmissão sustentada, segundo a OMS. Quanto ao SARS-CoV-2 também já foi 7 confirmada à transmissão de pessoa a pessoa, mas ainda não está confirmada a transmissão sustentada.

    Modo de Transmissão: a principal forma de transmissão dos coronavírus é por meio do contato próximo pessoa a pessoa, a partir de secreções respiratórias de uma pessoa infectada, como também pela tosse.

    Fonte de infecção: a maioria dos coronavírus geralmente infectam apenas uma espécie animal ou, pelo menos um pequeno número de espécies proximamente relacionadas. Porém, alguns coronavírus, como o SARS-CoV, podem infectar pessoas e animais. O reservatório animal para o SARS-CoV é incerto, mas parece estar relacionado com morcegos. Também existe a probabilidade de haver um reservatório animal para MERS-CoV que foi isolado de camelos e de morcegos.

     A forma de transmissão do SARS-CoV-2 ainda não está totalmente estabelecida e continua sendo investigada, segundo a OMS. Infecção humana pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2): A doença pelo SARS-CoV-2 ainda está sendo descrita, à medida que a OMS consolida as informações sobre os dados da epidemia e das pesquisas realizadas. Até o momento não estão disponíveis tratamento clínico específico nem vacinas. 

Descrição sucinta do Município

     O Município de Itaverava possui 5.417 habitantes, segundo IBGE de 2010, com 318 Km² em extensão territorial. Os Municípios que fazem fronteira com Itaverava são: Ouro Branco, Conselheiro Lafaiete, Cata Altas, Santana dos Montes e Lamim. Possui 02 Unidades Básicas de Saúde, sendo uma no Centro, com o nome de UBS Maria José Alves dos Reis Carvalho, a qual possui dois (2) ESFs, com os nomes de Protetores da Saúde e Anjos da Saúde, e uma equipe de Saúde Bucal, e a outra UBS na localidade de Monsenhor Isidro com o nome de Geraldo Silvério, com um (1) ESF que tem o nome de Guardas da Saúde, com uma equipe de Saúde Bucal. Os laboratórios são pactuados, bem como os Hospitais.

Instituição do COES Municipal – Centro Municipal de Operações Estratégicas em Saúde Fluxograma de atendimento na UNIDADE

Fluxo de Atendimento:

• Sintomas e casos suspeitos:

Pacientes identificados com caso suspeito será encaminhado imediatamente para sala exclusiva de acolhimento – Corona Vírus (COVID-19).

• Protocolo de Início:

Sala 01 – Acolhimento de 07 horas às 22 horas
Sala 02 – Sala de observação.

A sala 01 terá acolhimento de 16 horas e será o local de realização de todo atendimento do paciente suspeito: Notificação, avaliação médica, coleta de exames laboratoriais, e SWAB, administração de medicamentos se necessário.

• Necessita Internação?

Após análise e exames, necessita internação?

SIM

Segue conduta médica de internação no isolamento ou transferência.

NÃO

Orientar isolamento domiciliar ao paciente.

     Relatando que para o paciente será fornecido uma mascara e será conduzida a sala 01, onde o profissional de saúde estará equipado com os EPIs necessário para um atendimento correto e sem risco tanto para o paciente quanto para ele. Será classificado o caso de acordo com a gravidade:

 

Caso leve: Sem sinais de gravidade, infecção viral não complicada ao trato respiratório superior: febre, tosse, dor de garganta, congestão nasal, mal-estar, cefaleia, mialgia, podendo estar acompanhados de sinais e sintomas gastrointestinais. Os idosos e imunossuprimidos podem apresentar sintomas atípicos, com ausência de febre. Será dito para o paciente ficar em casa em isolamento domiciliar até desaparecimento dos sintomas, avaliar necessidade de transporte sanitário de rotina, antitérmico e antipirético, orientar sobre sinais de gravidade. A equipe será o Médico (a) e os enfermeiros (as). Emitir atestado médico e assinar o termo de responsabilidade, orientar a quarentena ele e seus familiares. Manter o uso de máscara cirúrgico durante o trajeto.

 

Sinais de gravidade sem indicação de CTI: Sinal de esforço respiratório; saturação de O2 > 90% < 94%, cianose, alteração na ausculta pulmonar.

 

Internação em serviços com leito de isolamento: Cadastrar na Central de Regulação, para pacientes internados seguir conduta dos itens 4.4.2 e 4.4.3 do protocolo estadual, preencher ficha de notificação de SRAG, acionar o SAMU ou transporte de urgência.

 

Sinais de Gravidade com indicação de CTI: Instabilidade hemodinâmica persistente, indicando uso de amina vasoativa. Sinais e sintomas de insuficiência respiratória, incluindo hipoxemia (Pa O2 abaixo de 60 mmHg). Evolução para outras disfunções orgânicas, como insuficiência renal aguda e disfunção neurológica. Vai ser encaminhado para o Hospital de referência.


Notificação Imediata ao CIEVS

Confirmado que trata-se de suspeito ou provável: Coletar SWAB oro/nasofaringe, com meio de transporte contendo 3 SWABs, cadastrar no Gal, encaminhar para a FUNED para que seja entregue no período de 16 horas. Preencher on-line formulário http://bit.Iy/2019-ncov SINAN, notificar na ficha de NOTIFICAÇÃO INDIVIDUAL (CID 10= U07.1) para encaminhamento a FUNED junto com o material coletado. Avaliar criteriosamente se entre os mesmos forem detectada as seguintes situações: com idade maior que 65 anos e/ou menor de 2 anos , com doenças crônicas pulmonares, renais e cardíacas ou portadores de imunossupressão, gestantes. Dependendo das condições é internação.

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde